Combinando genes

Eu havia anunciado no Twitter quando descobri, mas é uma ótima oportunidade para ressucitar esse blog abandonado.

Eu vou ser pai. A Kátia será mãe. Descobrimos dia 29 de junho (que, notei agora, é o dia em que fez 1 ano que não escrevo nada neste blog).

Como eu não quero encher este blog de posts açucarados, com detalhes que ninguém quer saber exceto familiares e amigos próximos, criei um blog só para a criança: mq1000.raisama.net (meu filho tem um subdomínio só pra ele antes mesmo de nascer  8).

Por que mais um blog? Trecho do post inaugural:

Criei o blog para facilitar segmentação de conteúdo. Pai e mãe acham tudo lindo, mas nem todo mundo quer ler isso no meu blog pessoal, muito menos na valeta. Por outro lado, algumas pessoas (por exemplo, família e amigos próximos) podem querer ler sobre cada passo da jornada. Quem quiser, pode simplesmente seguir este blog. Quem não se interessar, não vai precisar aguentar post açucarado de futuros pais.

Coloquei lá o relato de quando descobri que ia ser pai, e uma explicação sobre o nome do blog.

Forum Internacional de anti-capitalismo, petismo, e anti-copyright

Vou tentar fazer um rant curto.

Durante o FISL 10, me convenci que os palestrantes e voluntários (isso inclui a mim) são trouxas que tem apenas uma função: aumentar o público do evento para ajudar no sucesso das campanhas políticas promovidas pelos seus organizadores.

O evento não foi completamente ruim. O conteúdo das palestras técnicas estava excelente. O ponto é que ficou claro pra mim que a qualidade das palestras é apenas um efeito colateral. Os voluntários e palestrantes ajudam a montar o FISL, mas os “donos” do FISL não são eles.

Os donos do FISL são os que recebem o dinheiro de empresas privadas e estatais, mas não têm interesse algum em demonstrar para onde o dinheiro vai. São eles que definem o discurso utilizado, qual o conteúdo do site do evento, o que dizem os releases para a imprensa. Os donos do FISL são quem define se vão fechar o evento para o PT fazer campanha política, e se software livre será associado a anti-capitalismo e anti-copyright.

Eu não sou ingênuo para esperar que política fique totalmente de fora de qualquer grupo que reúna mais que 6 pessoas. Política é um efeito colateral difícil de evitar. A questão é se a política é apenas um efeito colateral chato (como eu imaginava que seria) ou um fim (como se demonstrou ser).

[Update 02/07/2009 18:40: muita gente parece ter lido só o último parágrafo do post e não entendeu a minha crítica. Eu não estou reclamando da grade do FISL. Eu estou reclamando do uso do evento para promoção de campanhas políticas que não dizem respeito a software livre. Eu não estou reclamando do tema política, eu estou reclamando do uso político do evento. Estou reclamando do uso do público e dos voluntários do FISL como massa de manobra (eu odeio essa expressão, mas não encontrei outra melhor).]

Tchelinux Porto Alegre 2008

Sábado estive no Tchelinux 2008 em Porto Alegre e apresentei uma palestra sobre virtualização e KVM. Vários fellow redhatters estiveram lá também: Arnaldo, Luis Claudio, Olivé, e Douglas Landgraf. Todos eles apresentaram palestra na mesma sala, a maioria sobre algum aspecto do kernel. Com esses caras reunidos num lugar só, muitas das palestras viraram bate-papos muito bons. 8)

Os slides da minha palestra estão em http://raisama.net/talks/virt-2008/ (ou, pra quem não quiser baixar o arquivo, tem no slideshare). As fotos que tirei estão no Flickr.

Dormi poucas horas desde sexta até domingo. Eu estava em estado zumbi durante todo o caminho de volta pra casa, até dormir várias horas seguidas domingo à tarde. Cansei muito. Mas foi muito bom.

Há mais fotos do evento buscando no Flickr, no álbum do Thiago Becker, no álbum da Bruna Griebeler, no álbum da Cristiane Bicca.

Finalmente, agrecimento especial aos donos do apartamento do Douglas, por terem autorizado ele a me hospedar enquanto estive em Porto Alegre. E ao Douglas, por tê-los convencido de que eu era uma boa pessoa para poder me hospedar. 8)

Feira da Fruta amanhã!

Cheguei em casa hoje, e estava passando na Rede 21 (que em Curitiba fica no canal 59 UHF, ironicamente) um episódio do seriado do Batman. Sim, aquele seriado tosco antigo que serviu de base para o Feira da Fruta. E o melhor: era o episódio que termina com o Batman e o Robin presos dentro do caminhão. Isso quer dizer que o episódio seguinte (que deverá passar amanhã) é o próprio: o episódio da Feira da Fruta! :D

Então não percam: amanhã, 18h, tem Feira da Fruta na “Rede 21″ (canal 59 UHF em Curitiba).